Pesquisar este blog

Meu (novo) esporte favorito: Futebol gaélico.

Imagina um esporte que seja uma mistura de futebol, basquete, hurling, rugby e que, ainda por cima, é disputado com uma bola que se parece muito com uma antiga bola de vôlei?

Coisa mais bizarra, né? Pois, acredite se quiser, mas esse esporte realmente existe e se chama futebol gaélico, que também é chamado de futebol irlandês e é disputado apenas na... Irlanda (nããããããããããããoooo!!! Jura, Lucho?).

Dá só uma olhada nas cenas abaixo desse esporte:


Parece ser muito divertido. E ainda por cima pode fazer gol com a mão. Maradona ia se dar bem nesse esporte.

#SuaPiadaMata

Ontem a porra ficou séria no Twitter. Os abnegados revolucionários de lá decidiram usar aquela rede social e os trend topics (por incrível que pareça, ainda tem gente que leva a sério os trend topics) para falar de um assunto muito importante. Sim, precisamos falar sobre o poder devastador que as piadas possuem. Por detrás de uma simples piada engraçadinha pode-se esconder uma arma de destruição em massa, capaz de matar e acabar com a vida de um monte de gente. E para falar sobre esse problema tão... problemático, o pessoal de lá decidiu criar a hashtag #SuaPiadaMata.

Sim, senhores, o que mata não são armas, nem bombas, nem morteiros, nem mísseis, nem foguetes, nem granadas, nem facas, nem espadas, nem mosquetes, nem bacamartes, nem baionetas, nem arcabuzes, nem Zyklon-B. O que mata são piadas.

Aqui um humorista sendo condenado pelas diversas mortes causadas por suas piadas

E o que pior pode acontecer não é ameaças de morte, de estupro, de sequestro, de rapto, de roubo dos bens ou então desejar que a outra pessoa tenha um câncer que nenhuma fosfoetanolamina consiga curar. O pior mesmo é ouvir uma piada e... RIR DELA!!!!!

Devo dizer aos senhores que concordo inteiramente com tudo isso que fora dito acima. De fato piadas são coisas maléficas, maledizentes e que podem matar várias pessoas.

Querem provas? Ok, então. Aqui a primeira prova de que sua piada mata:

Nunca li essa HQ. Que vergonha tenho de mim por isso.

E aqui a segunda prova de que sua piada mata:


Agora vocês estão convencidos de que #SuaPiadaMata?

Portanto gente, nada de fazer piadas dos outros. Nada de piadas de advogados, nem de bêbados, nem do joãozinho, nem do papagaio, nem de português, nem de bichas, nem de loiras, nem de gordos

E principalmente. Nada de piadas de políticos. Nade de dizer que é verdade aquela história de que o Lula fez três faculdades ou de que o Papa deixou o Alckmin mijar na estátua de São Pedro pois ele já tinha cagado em São Paulo.

Quer dizer, principalmente nada de piadas de judeus. Nunca, jamais, em nenhum momento de sua vida conte piadas de judeus para judeus, pois eles certamente conhecem todas as piadas que você conhece e mais outras piadas pelo menos mil vezes melhores.

E pior sou eu, que já contei e conheço diversas piadas de advogados e nunca consegui sequer machucar um que seja. Pelo visto meu arsenal é fraquíssimo e terei que me equipar melhor.

PS: Que fique claro, uma coisa é piada e outra coisa é bullying. Quando esse pessoal se referiu a piada, na verdade era para se referir ao bullying. Vocês sabem que são coisas bem diferentes. Claro que sabem, pois estou falando aqui com pessoas inteligentes.

Vidência é isso aí.

"Eu lembro, eu lembro, do cinco de novembro".

Não, esse texto não será sobre os asnonymous. É que no dia cinco de novembro foi o primeiro dia de mais uma edição do ENEM. E ao contrário dos anos anteriores em que o que mais se falou foi do show dos atrasados e de questões extremamente complicadas que perguntavam o que acontece quando o gelo derrete, neste ano o que mais se comentou foi a respeito do tema da redação.

Não, bando de millennials leite com pera. Infelizmente (para vocês) o tema não foi esse.

O tema da redação foi "desafios para a formação educacional de surdos no Brasil", o que surpreendeu muita gente, que achava que o tema seria "EUA x Coreia do Norte" ou "ideologia de gênero" ou "reforma trabalhista" ou "reforma política" ou "homofobia" ou "bullying e cyberbulling" ou "polarização na Internet" ou qualquer outro assunto batido e surrado à exaustão pela mídia e que já ficou tão chato de se ouvir sobre eles.

Bobinhos. Por que esse pessoal não entrou em contato com alguns videntes da Internet para saber qual seria o tema da redação da prova? Aqui alguns deles que previram qual seria o tema da dita cuja:
Só senti falta do senhor vidento Jucelino Nóbrega da Luz e a senhora videnta Carmel Palmieri que não previram o tema da redação. Será que os poderes mediúnicos, adivinhacionais, premonitórios e para anormais dos dois estão começando a enfraquecer? Assim vou começar a não confiar mais neles.

Deixando de lado poderes premonitórios, adivinhacionais, para anormais, mediúnicos, de vidência e outras picaretagens, do jeito que o pessoal reclamou, a impressão que deu foi que a prova simplesmente jogou o tema assim de maneira seca e pediu para os candidatos desenvolverem o texto do zero quando, como em qualquer prova do tipo, sempre há trechos de textos (que o pessoal que organiza as provas da UNICAMP chama de coletânea de textos) para guiar o candidato (ainda falando sobre a UNICAMP, uma das coisas que zerava redação era não usar a coletânea de textos) já que não dá para saber tudo de todos os assuntos.

Na verdade, o pessoal foi pego de surpresa e reclamou, dizendo que o tema sugerido foi idiota, pois queriam que a redação fosse um daqueles temas surrados ditos alguns parágrafos acima, já que, se bobear, alguns dos reclamões tinham uma redação esquematizada na cabeça prontinha para passar para o papel ou pensaram em usar as merdas que escrevem no facebosta na redação (para depois ficarem revoltados questionando o porquê suas redações foram zeradas).

Idiotice falar sobre formação educacional de surdos no Brasil, senhores reclamões? São cerca de 10 milhões de surdos no país. A lei 10436/2002 estabelece que LIBRAS é a segunda língua oficial do país. A mesma lei 10436/2002 (artigo 4°) e o estatuto da pessoa com deficiência estabelecem a obrigatoriedade de ensino de LIBRAS nos cursos de Fonoaudiologia e de Magistério e também a disponibilização de ensino bilíngue (LIBRAS e português) em escolas e salas de aulas inclusivas e, apesar de existir duas leis sobre isso, o que menos se vê são justamente escolas adaptadas aos alunos surdos (de repente, na redação, poderia ser falado sobre essas duas leis que, para variar, só existem no papel), com escolas jogando alunos surdos nas salas de aula e o professor que se vire para lidar com eles. O negócio é tão absurdo que tem aluno que deixa de fazer curso por falta de condições. Isso para aqueles que conseguem uma vaga num curso, já que a proporção de analfabetos entre os surdos é maior do que entre os não surdos, chegando em alguns casos a 95% da população de surdos. Ainda acha idiotice a escolha do tema, senhores reclamões?

De qualquer forma, aguardemos janeiro de 2018, pois até lá serão divulgados os resultados da prova. E se nesta edição o show dos atrasados foi murcho, o show das redações será um espetáculo, com gente escrevendo redação sobre Braille. E não seria surpresa alguma se não viram o LIBRAS (Linguagem Brasileira de Sinais) e acabaram escrevendo sobre astrologia. Além do que, nunca se esqueçam do número mágico: 92%.

E se teve uma coisa que me surpreendeu nessa história toda foi ter falado em "surdos" ao invés de "deficientes auditivos" ou "portadores de deficiência auditiva". De vez em quando é bom mandar o politicamente correto e a linguagem suave dar uma passeada lá pela avenida Vai Se Foder.

Links da semana - 57.

E vem aí mais uma lista de textos da semana. Será a primeira do mês de novembro (e também a última). Vamos lá então:
E é isso aí. Até a próxima.

Senhores economistas, peguem na minha e balança

Foi isso que eu disse quando li uma notícia (esta aqui ó) falando sobre a imensa quantidade de feriados que teremos em 2018 e o impacto negativo que essa imensa quantidade de feriados traria à economia, segundo estudos feitos por um bando de economistas formados pela Universidade Facebosta da Internet.

Segundo os nobres economistas formados pela referida universidade, a imensa quantidade de feriados do próximo ano (14, sendo que 12 deles podem ser prolongados) trariam um impacto econômico avassalador à economia da cidade, com ela "perdendo" R$ 1,4 bilhão, ou então R$ 1,5 bilhão, ou até mesmo R$ 2,1 bilhões (afinal, precisão é tudo na vida).

Como sempre, aquele antiquíssimo papinho bosta de que o país tem muitos feriados, que com esse monte de feriados o país perde dinheiro, empresários e economistas choram e blablablá blablablá whiskas sachê blablablá blablablá...


Primeiramente que... como assim perder dinheiro? A gente só perde dinheiro (na verdade, qualquer coisa) somente se algo estava lá. Como que os economistas sabiam a quantidade de dinheiro que se ia faturar nesses dias se não fossem os feriados? Economistas agora são videntes? De qualquer forma, gostaria de ver os cálculos usados pelos nobres economistas para que chegassem nesse impacto tão avassalador e crível.

Quanto aos empresários que também sentem o impacto tão gigantesco de tantos feriados e que também ficam de mimimi por conta disso, será que eles não sacaram que nesses dias as empresas que eles gerem não vão faturar tanto assim? Pela quantidade de mimimi deles eu acho que não e por causa disso não me surpreende o fato de que a maior parte das empresas brasileiras não passa do primeiro ano de vida.

Quanto a mim, o que tenho a dizer dessa quantidade enorme, imensa e absurda de feriados? ACHO ÓTIMO!!!!!!!! Serão muito bem vindo todos esses feriados. Trabalho pra caralho, não sigo aquela máxima retardada de trabalhar com que se ama mas gosto do que faço (e gosto ainda mais do salário que recebo no mês seguinte), apesar de ter que aturar gente idiota e gente que eu adoraria espancar se encontrasse por aí, mas tem momentos que a gente não está com muito pique e tem horas que tem que colocar a máquina para descansar e relaxar (o corpo e, principalmente a mente).

Se dependesse de economistas, empresários, empreendedores, funcionários cachorros ou funcionários padrões, não existiriam feriados, nem férias, nem sábado, nem domingo e funcionários (colaboradores é o cacete!!!) trabalhariam 24/7. Só acha ruim que se haja feriados e férias aquele pessoalzinho que não trabalha, não estuda e que as únicas coisas que fazem na vida são cagar, mijar e peidar.

Para terminar, assim como fiz no texto de seis anos atrás sobre o funcionário padrão, volto a fazer a mesma pergunta, afinal, perguntar não ofende. Para que serve economia e economistas? Se bem que economia, assim como sociologia, filosofia e antropologia são da área de humanas. Assim, creio que já esteja mais do que respondida a pergunta.

Fotos dos milionários da TelexFree, BBom, Pripples, MultiClick, Hinode, FRPromotora, etc...

Depois de admitir que eu sou um defensor da talidomida... quer dizer, fosfoetanolamina, agora venho por meio deste texto dizer que também sou um grande defensor das pirâmides financeiras do Marketing Multinível e de todas as empresas que praticam essa forma de negócio. Empresas como TelexFree, Forever Living, Sócios do Futuro, Herbalife, Hoken, BBom, FRPromotora, NNex, Pripples, Winner Manager, Avestruz Master, E-MAI NET, Empower Network, Worldlook, Ganhar Dinheiro, My Travel and Cash, UP! Essência, Rippln, UNEPXMIL, Dreams and Gold, Fábrica dos Milionários, Agente BR, Hinode, Omni Internacional, Blackdever, Boi Gordo, Global Multix, Sistema Trabalhe em Casa, Multiclick, Multilike, Amway, Monavie, Tahitian Noni, Dinastia MCMXCIX, Mister Colibri, Ajuda Mútua, Ação Entre Amigos, A mina de ouro

E o que me fez defender o Marketing Multinível foi a quantidade de grandes revendedores que tiveram suas vidas transformadas graças a essas pirâmides... cahan... graças a essa nova forma de comprar e vender produtos.

Se eu tenho prova de tudo o que estou dizendo? Mas é claro que eu tenho. Segue abaixo fotos de felizes revendedores que tiveram suas vidas transformadas:

Um feliz revendedor da TelexFree que comprou um canhão (in memoriam).

Já esse aí comprou um avião com o que ganhou da BBom.

E esse que comprou um castelo. Tudo graças à MultiClick.

Uma Ferrari vermelha, conseguida com a Pripples. Aliás, dizem que ele tem um coleção delas, todas graças à Pripples.

Um Bentley preto que veio graças à FRPromotora.

Um Jaguar azul. Cortesia da Multilike.

Novamente, Ferraris. Um feliz revendedor da Hinode junto de sua rede.


Ops!! Imagem errada. Corta essa, produção.

E é isso aí. Por mais que haja um monte de invejosos que detestam ver a ascensão dos pobres, preferindo viver em seus medíocres empregos assalariados, e por mais que esse governo comunista que está aí odeie que pobre prospere na vida, as pirâmides financeiras o Marketing Multinível está transformando a vida de milhões de pessoas. Porra, está transformado até a vida de revendedor de mandioca. E o melhor de tudo, de uma maneira nem um pouco fraudulenta.

Não só isso. Além de revolucionar a vida de milhões de pessoas, o Marketing Multinível também é uma grande força política. Novamente, tem-se prova disso.


Depois de tudo isso, o que você está esperando? Venha ser mais um. Junte-se a nós e voe, voe cada vez mais longe e cada vez mais alto.

Junte-se a nós!!

A inspiração para escrever este texto foi este texto antigo e mal escrito do UOL. Mais precisamente, um comentário feito nele.

Frases e pensamentos de Paulo Freire, patrono da educação brasileira

Imagem roubada, com carinho, do Ceticismo.net, porém armazenada aqui. Nada de Hotlinking.

Depois de mais um mês em branco no ano da graça de 2017 aqui no blog, eis que estou de volta, com esse texto que é a prova número 6790217697536195075841167 que mostra como que políticos brasileiros, ministério e secretarias da educação levam a educação no Brasil muito a sério. Como todo mundo infelizmente já sabe (ou deveria saber) Paulo Reglus Neves Freire é considerado o patrono da educação brasileira. Foi através da lei 12612, de 13 de abril de 2012.

Mas afinal, não é surpresa alguma Paulo Freire ser o patrono da educação. Políticos dão ao povo o que o povo quer (o caso da Fosfoetanolamina é bem patente) e, principalmente, os políticos não dão ao povo aquilo que o povo não quer ou não se interessa. E a verdade é que a população não quer saber de educação. Sinto muito, mas é a verdade. Não adianta nada compartilhar imagenzinha revoltada no facebosta mas querer tirar satisfação com professor que deu nota vermelha para o floquinho delicadinho da mamãe.

Aliás, abrindo um enorme parêntesis. Como dizia o saudoso professor Pierluigi Piazzi, apenas em países e Estados pseudodemocráticos é que existem ministérios da educação. Em países e Estados democráticos o que existe são Ministérios da Instrução Pública, pois educação é função da família. Fecha parêntesis.

Vejamos então o que e de que maneira pensava o grande patrono da educação brasileira por meio de suas frases e que o fez merecer o título honorário:

"A humildade exprime uma das raras certezas de que estou certo: a de que ninguém é superior a ninguém."

Começando por uma das melhores frases dele (foi ironia, OK gente?) e que até parece frase de livro vagabundo de autoajuda. Ninguém é melhor do que ninguém o caralho. Algumas pessoas são melhores que outras sim. E isso não é demérito, arrogância, reacionarismo ou qualquer coisa que o valha.

Eu sou melhor em ciências exatas que muita gente que eu conheço (certamente, sou melhor que o pessoal que presta ENEM e acha difícil pergunta sobre o que acontece quando o gelo derrete). Em compensação sou um zero a esquerda em humanidades e há gente muito melhor que eu nessa área (embora eu continue achando que sou melhor que o pessoal que prestou o ENEM). Gostaria de ser astronauta da NASA, porém sei que isso não vai acontecer pois tem gente muito mais gabaritada do que eu para isso.

"Não há saber mais ou menos: há saberes diferenciados!"

Teoria da Terra Plana, do geocentrismo, da Terra jovem, de que vacinas contém mercúrio e causam autismo seriam saberes diferenciados?

"Quem ensina, ensina alguma coisa a alguém."

Aprenderam agora o que é um verbo bitransitivo?

"Não há vida sem correção, sem retificação"

Muito obrigado por dizer o óbvio, senhor patrono da educação. Pena que suas seguidoras detestem que se use caneta vermelha para corrigir as provas dos alunos.

"Se alguém quiser me insultar, me chame de santinho."

OK, Santinho. Ah!! E o correto aqui seria "chame-me...".

"É preciso que, pelo contrário, desde os começos do processo, vá ficando cada vez mais claro que, embora diferentes entre si, quem forma se forma e re-forma ao formar e quem é formado forma-se e forma ao ser formado."

Repetição desnecessária de uma palavra numa sentença. Aqui uma lição do patrono da educação a respeito do que não se deve escrever numa redação.

"E uma das condições necessárias a pensar certo é não estarmos demasiado certos de nossas certezas."

Nah!! Patrono da educação em seu momento professor Jirafales?

"Importante na escola não é só estudar, é também criar laços de amizade e convivência."

OMEUZOVO com esse papo de que professor tem que ser amigo de aluno, aluno tem que ser amigo de professor e aluno tem que ser amigo dos outros alunos. Professor é um profissional (sim, professor é profissão e não missão, viu Xandynho Gracinha) pago para ensinar aluno e não para ser amigo de aluno.

E aqui o que acontece quando professor quer ser amiguinho de aluno.





"Amar é um ato de coragem"

"Eu sou um intelectual que não tem medo de ser amoroso, eu amo as gentes e amo o mundo. E é porque amo as pessoas e amo o mundo, que eu brigo para que a justiça social se implante antes da caridade"

"O amor é uma intercomunicação íntima de duas consciências que se respeitam. Cada um tem o outro como sujeito de seu amor. Não se trata de apropriar-se do outro"

"A educação é um ato de amor, por isso, um ato de coragem. Não pode temer o debate. A análise da realidade. Não pode fugir à discussão criadora, sob pena de ser uma farsa"

"Num país como o Brasil, manter a esperança viva é em si um ato revolucionário"

"Quem começa a entender o amor, a explicá-lo, a qualificá-lo e quantificá-lo, já não está amando"

Chega a ser uma ironia digna de humor negro uma pessoa falar tanto em "amor" e "esperança" ao mesmo tempo em que falava de revolução armada e guerra civil e que achava que a morte de alguns civis inocentes era apenas um efeito colateral.

Provavelmente esse "amor" do paulinho não era aplicado aos reaças.

"Que é mesmo a minha neutralidade senão a maneira cômoda, talvez, mas hipócrita, de esconder minha opção ou meu medo de acusar a injustiça? 'Lavar as mãos' em face da opressão é reforçar o poder do opressor, é optar por ele"

"Não é na resignação, mas na rebeldia em face das injustiças que nos afirmaremos"

Agora Paulo Freire xingando muito os "isentões". É preciso lutar contra a opressão e as injustiças, mas de preferência fazendo revolução armada.

"Para a concepção crítica, o analfabetismo nem é uma ‘chaga’, nem uma ‘erva daninha’ a ser erradicada, mas uma das expressões concretas de uma realidade social injusta."

Paulo Freire e os seguidores e seguidoras dele tanto defendem e protegem os analfabetos que criaram um monte deles (sim, sempre aquele texto da imprensa-golpista-burguesa-conservadora-reacionária-autoritária-malvada-feia-chata-boba-elitista-racista-branca-de-olhos-azuis).

"O ser alienado não procura um mundo autêntico. Isto provoca uma nostalgia: deseja outro país e lamenta ter nascido no seu. Tem vergonha da sua realidade."

Claro que tinha que ter uma alfinetada nos "alienados" (a.k.a. gente que pensa diferente de mim).

"A educação bancária pensa: 'Sou o dono da verdade e o outro nada sabe'"

"Educação bancária", também conhecida como "educação que funciona".

"Tenho pena, e as vezes, medo, do cientista demasiado seguro da segurança"

Pois até mesmo o patrono da educação tem que mostrar o seu apreço pela ciência.

"Não há ensino sem pesquisa e pesquisa sem ensino"

Olhem a frase acima.

"Só, na verdade, quem pensa certo, mesmo que, às vezes, pense errado, é quem pode ensinar a pensar certo"

"Gosto de ser gente porque, inacabado, sei que sou um ser condicionado mas, consciente do inacabamento, sei que posso ir mais além dele. Esta é a diferença profunda entre o ser condicionado e o ser determinado"

"Todo amanhã se cria num ontem, através de um hoje. Temos de saber o que fomos, para saber o que seremos"

"Não temo dizer que inexiste validade no ensino de que não resulta um aprendizado em que o aprendiz não se tornou capaz de recriar ou de refazer o ensinado, em que o ensinado que não foi apreendido não pode ser realmente aprendido pelo aprendiz"

"Ninguém educa ninguém, ninguém educa a si mesmo, os homens se educam entre si, mediatizados pelo mundo"

"Esta é a razão pela qual o animal não animaliza seu contorno para animalizar-se nem tampouco se desanimaliza."


"Não basta saber ler que Eva viu a uva. É preciso compreender qual a posição que Eva ocupa no seu contexto social, quem trabalha para produzir a uva e quem lucra com esse trabalho"

Outra das grandes frases do patrono da Educação. Realmente, não basta saber ler, tem que saber o "Das Kapital", "Pedagogia do oprimido", "Pedagogia da autonomia" e "Noções de revolução armada" de cabo a rabo.

"Quando a educação não é libertadora, o sonho do oprimido é ser o opressor"

Seguindo o paradigma do relógio parado, aí uma coisa com a qual eu concordo com ele. De fato, quando a educação é uma bosta, o sonho do oprimido é ser opressor e não fazer justiça, mas agir na base da vingancinha. Alguns deles podem ser vistos aqui e aqui (e muitos deles seguem os pensamentos paulofreireanos).

E eis aí as frases e pensamentos de Paulo Freire. Não poderia ter pessoa melhor para representar um dos piores sistemas educacionais do mundo.

Aí vai ter gente dizendo que ele é formado na universidade tal, que tem título de Doutor Honoris Causa na universidades tal, tal, e tal. Grandes bostas. O que interessa é o que ele fez pela educação do país e a verdade é que ele FODEU com ela. Com estas porcarias de construtivismo e progressão continuada (nome lindíssimo e politicamente correto para se referir à aprovação automática) transformou o Brasil num país de analfabetos.

E o pior é que os pedabobos e pedabobas marxistas xiitas do socioconstrutivismo que dão a bunda para o espectro do Paulo Freire não percebem a merda que essa porra é. Não sabem (e sequer querem saber) de casos de países que aplicaram o socioconstrutivismo e depois o abandonaram pois a educação destes desceu a ladeira na banguela sem freio.

Exagero o que eu disse na última frase? Ok, pode até ser. Mas vamos aos números. O socioconstrumerdismo nos moldes paulofreireanos foi implantado, a força, no ano de 1995, como substituto do método silábico, ou "Caminho Suave", que era um sistema de educação bancário, tecnicista e alienante. A cada três anos, a OCDE realiza uma prova (chamada PISA) que visa analisar os países conforme o seu sistema educacional. Quais são os melhores e quais são os piores. A primeira edição foi em 2000, a segunda em 2003 e assim por diante. Foram seis edições. O Brasil de todas as seis edições. Como foi o desempenho? Vejamos como foi:
  • Em 2000, de 32 países o Brasil ficou no 32º lugar (isso mesmo. ÚLTIMO lugar).
  • Em 2003, de 41 países, o Brasil ficou no 40º lugar (melhorou. Agora pegou a penúltima).
  • Em 2006, de 48 países, o Brasil ficou no 44º lugar.
  • Em 2009, de 65 países, o Brasil ficou no 57º lugar.
  • Em 2012, novamente de 65 países, o Brasil ficou em 52º lugar (olha só que melhora).
  • E em 2015, de 72 países, o Brasil ficou em 65º lugar.
Tirando 2012, o Brasil sempre ficando entre os 10 primeiros (ops. Desculpe. Vi a lista de ponta cabeça). Pena que eu não tenho o material aqui para mostrar para vocês. Adoraria tê-lo para poder esfregar com força na cara das viuvinhas do Paulo Freire. Mas com força mesmo. Até sair carne viva.

Não estou dizendo que a ausência de diploma ou de titulação é melhor. Afinal, tem o autoproclamado filósofo Olavo de Carvalho, que não tem um diploma, nem qualquer tipo de título e é outro boçal. Baixei o PDF da porcaria do livro que ele escreveu e digo que de graça aquela merda ainda foi cara. 

E com esse último parágrafo, creio eu que gerei raiva e ódio dos lados do puteiro, o que é muito bom.

Não querendo, mas... defendendo o Bolsomito.

Na verdade defendendo a verdade, o senhor Jair Messias Bolsonaro, enquanto político e pessoa que se foda. E o que me impeliu a escrever esse texto foi a seguinte notícia.



"Prometer que Minas Gerais vai ter saída para o mar". Realmente, uma proposta idiota, imbecil, ignorante, retardada, parece até aquela proposta do Maluf de asfaltar a ponte aérea Rio-São Paulo, todo mundo riu, todo mundo se divertiu, todo mundo escarneceu da proposta do bolsomito.

Mas uma coisa que eu não vi ninguém fazer. O deputado, que ainda não disse que é candidato a presidente (tá bom. Sei), teria realmente dito isso? Se realmente disse isso, então provem. Mostrem o vídeo em que ele disse essa barbaridade. Apenas isso.

Olha, já tem muita mentira circulando pela Internet envolvendo o nome do deputado (aqui, aqui, aqui e aqui), como se ele não tivesse um telhado de vidro imenso. Aí ele se candidata (ou tem gente que acha que os eventos que ele realiza não é campanha?), recebe bastante votos, é eleito e o pessoal que adora repassar essas histórias falsas fica com cara de bocó e chupando o dedo questionando "Ué. Como ele conseguiu se eleger? Essas urnas são fraudadas!! Abaixo a urna eletrônica!!" Pois só há fraude nas urnas quando o candidato que eu gosto não foi eleito.

Como diz o André, não existe propaganda negativa, exista propaganda. E essas histórias fantasiosas contra o deputado tem sido a melhor propaganda para ele.

Será que na versão em papel do Estado de Minas essa besteira seria publicada? Afinal, papel, tinta, maquinário e energia são caros demais para se gastar imprimindo besteira.

Para terminar, vendo o excelente capital humano que temos como presidenciáveis em 2018 (Lula, Dilma, Aécio, Alckmin, Dória, Bolsonaro, Levy Fidélix e etc...) não vai me restar outra alternativa senão votar nulo. Sim, vou dar uma de omisso e isentão, senhores defensores da democracia, que antecipadamente gostaria que fossem tomar no meio do olho dos seus respectivos tobas, que acham que democracia é só votar e depois calar a boca.

Câmara de Campinas abrirá participação da população pela Internet. Algum problema nisso?

Decidi fazer uma ação que remonta aos nossos antepassados Neandertais e Australopithecus afarensis do século XX e que boa parte da geração Ydiota mimimillennial leite com pera que sofre por viver nos lixos e entulhos deixados pelas outras gerações (o que é a mais pura verdade - in memoriam) não deve saber (bem como outras coisas que os espertões não sabem) que é ler um jornal em papel. E ao ler o jornal em papel descobri que a Câmara de Campinas permitirá que, a partir de amanhã, a população da cidade possa enviar perguntas e sugestões aos vereadores por meio do site da Câmara.

Um problema que vi quando li essa notícia foi o destaque que o Correio Popular (o tal jornal em papel) deu para ela. Uma mísera notinha em coluna lateral. Poxa vida. Poderia ter sido dado um destaque maior a uma notícia tão importante como essa.

Fui ver então no site da Câmara de Vereadores daqui se tinha essa notícia. E tinha (clica na imagem que ela aumenta).


Aqui o link com a notícia, link esse que poderia ser mais curto, pois pensei se tratar de algum texto do Gaynaldo Azevedo.

Mas será que pode haver problemas futuros com essa iniciativa? Acho que não, né? Certamente que não. Com certeza que não. Indubitavelmente que não. Definitivamente não. Uma iniciativa tão boa e, especialmente, tão inovadora como essa não tem que ter espaço para o pessimismo. Vai dar certo.

E que bom que, com essa iniciativa, os cidadãos de Campinas poderão pedir pela construção da Estrela da Morte ou pela legalização dos ataques de DDoS.

Links da semana - 56

E vem aí mais uma lista de textos da semana:

E até a próxima.

Bolsomito para mudar o Brasil já!!!

Hoje é dia 7 de setembro de 2017 e não poderia ter dia melhor para escrever esse texto senão hoje, já que o presente texto é sobre um grande político patriota que nasceu na mesma cidade que eu e que me enche de orgulho toda vez que digo ou que penso nisso. O texto será sobre Jair Messias Bolsonaro.

De antemão gostaria de dizer aqui que estou na campanha presidencial do Bolsomito e quero muito que Jair Bolsonaro seja eleito presidente em 2018. Aliás, em 2018 teremos aquilo que tem tudo para ser as melhores campanhas eleitorais da história. Tanto em termos de material humano, como em termos de propaganda eleitoral. E a Internet só terá a ganhar com as melhores campanhas eleitorais da história. Especialmente as redes sociais (subentenda-se somente o facebosta, já que é a única rediçossiau que o pessoal conhece e usa).

Com o Bolsomito no poder, o cidadão de bem cristão só tem a ganhar, já que não teremos mais esse comunismo abjeto que grassa ferozmente pelo país, os valores cristãos serão postos em prática, cada cidadão de bem terá uma arma para se defender e o país será um lugar muito mais seguro para se viver, já que segurança será palavra de ordem com o Bolsomito no poder (tudo bem que a responsabilidade sobre a segurança pública é dos governos estaduais, mas Bolsonaro vem aí para mudar tudo isso).

Como eu sei que tudo isso vai acontecer? Por conta das imagens abaixo

Fonte da imagem: Tribuna da imprensa.


As duas imagens foram pegas desse texto do E-farsas.

Ainda sobre a segurança, Bolsomito já disse que no primeiro dia como presidento ele vai ordenar a criação da bomba atômica e logo em seguida vai declarar guerra contra a Venezuela. Olha só que máximo!! Teremos bomba atômica. Tudo bem que não temos nem mesmo um mísero submarino nuclear (e atualmente nem mais datilógrafo), mas isso é só detalhe.

E não é só na segurança. Na educação também. Com Bolsonaro como presidente, a merda do socioconstrutivismo será enterrada de vez, as viuvinhas de Vygotsky, Piaget, Emilia Ferreiro, Rousseau, Montessori, Freinet e Paulo Freire vão morrer de fome, serão atiradas num lago de piche e voltaremos com a cartilha Caminho Suave (bem que tudo isso poderia acontecer MESMO, especialmente com as viuvinhas. Sem ironia). E aqui mais uma mostra:

Subentenda-se: Meu pai é chapeiro no Burger King, não tem dinheiro nem para comprar um Atari, portanto, ninguém mais vai ter vídeo game.

Por tudo isso é que eu digo: Bolsonaro 2018.


Opa. Imagem errada.


Agora sim. #bolsomito #bolsonaro2018.

Links da semana - 55.

Setembro se inicia (não sei para vocês, mas para mim pareceu que o mês de agosto teve 50 dias) e é o primeiro texto publicado aqui após o Milestone de 2 milhões de itens bloqueados pelo AdBlock no Chrome (agora está em 2027000). Vamos para mais uma lista de textos para o seu deleite:
E é isso. Até a próxima.

Dois milhões de propagandas bloqueadas, com o comunista AdBlock.

Em outubro de 2016 eu publiquei um texto para festejar a marca de 1 milhão de propagandas bloqueadas com o Adblock, essa invenção demoníaca criada pelos malditas ateus comunistas que odeiam o capitalismo, odeiam propaganda, odeiam os ricos e odeiam que qualquer pessoa ganhe dinheiro.

Aí fiz umas contas. Creio eu que por mês cerca de 100 mil propagandas sejam bloqueadas (aqui vai uma correção. Apesar da extensão chamar-se AdBlock e o mote da extensão seja "Navegue na Internet sem anúncios irritantes", a extensão não bloqueia apenas anúncios. Aqui uma pequena lista de algumas coisas que ele bloqueia) pela extensão. Se eu estiver certo, em 10 meses atingiria o segundo milhão de (com a devida correção) itens bloqueados pelo bichinho. Como o primeiro milhão foi atingido no fim de outubro de 2016, o segundo milhão seria atingido lá pelas bandas de fim de agosto ou começo de setembro de 2017.

Muito bem. Eis que hoje, dia 25 de agosto de 2017 chegou e com ele...


Dois milhões de itens bloqueados pela belezinha que é o AdBlock. Como eu disse naquele texto do primeiro milhão, atualmente eu não me imagino usando Internet sem ter instalado Ghostery e AdBlock (no Chrome. No Firefox eu prefiro usar o uBlock, já que o AdBlock Plus é um lixo. E bloqueou "apenas" 70 mil itens). Porém uma coisa que eu não disse naquele texto é que eu ficava com remorso de pensar em usar uma dessas extensões. Juro mesmo, ficava com remorso. Mas durou pouco tempo. Quando eu vi a maravilha que era, mandei tudo às favas. E atualmente bloqueio tudo.

Você fica com remorso, quer ser legal, desbloqueia e aí aparece isso. E sim, é mais uma página fake que leva a um golpe.

Quer dizer, bloqueio quase tudo. Tem dois sites que eu deixo habilitado (até certo ponto), que são o Apolo 11 e o Clube Do Hardware. Esses sim merecem estar na minha whitelist. O resto, enfio num cofre de chumbo e concreto e uso todas as extensões até o talo. Dentre eles, o YouTube, que acho que foi o site que mais contribuiu para a chegada dos 2 milhões.

E como eu disse naquele texto do primeiro milhão, apesar de gostar muito do Ghostery, AdBlock e uBlock não sou comunista, não sou contra o capitalismo, não odeio publicidade, não odeio propaganda, não odeio publicitários, não acho que o último publicitário deve ser enforcado em praça pública com as tripas do penúltimo publicitário e não acho ruim que se ganhe dinheiro. Mas eu acho, só acho, só achismo meu, que tenho o direito de usar o computador pelo qual eu paguei do jeito que eu bem entender. E decidi que não quero ver essas propagandas que só servem para consumir banda com coisas que não me interessam e deixar o computador lento e sobrecarregado (isso quando não apresentam picaretagens, como a de acima, ou mesmo escondem golpes para espalhar malware).

E no celular a coisa é pior (sim, chamo Smartphone de celular. Me processem) pois deixa sobrecarregado e lento um dispositivo que tem um poder de processamento pior que de um computador, a propaganda ocupa a tela toda do dispositivo e, na maioria das vezes, o celular usa conexão 2G, 3G ou 4G, que possui uma franquia de dados e cada byte desperdiçado com coisas inúteis são como se fossem facadas no coração.

Nesse exato momento eu encerraria o texto e diria que talvez tenha um novo texto quando chegar aos cinco milhões (talvez. Talvez!! Que fique bem claro), mas ao contrário daquele texto do primeiro milhão, o texto não vai ficar somente na comemoração pela marca atingida. Segue a segunda parte.

Toda vez que se fala sobre extensões que bloqueiam o aparecimento de propagandas nas páginas de Internet aparece vários produtores de conteúdo dizendo que é errado usar bloqueadores de propaganda, dizendo que a gente não deveria fazer isso, que isso não é certo e dão um monte de adjetivos carinhosos e elogiosos a quem os usa.

O curioso é que esses produtores de conteúdo (se é que dá para chamar 90% do que é produzido por essa gente de conteúdo, mas vá lá)...
  • Na briga Uber vs. taxistas, eles disseram "os taxistas que inovem".
  • Na briga Whatsapp/Telegram/Viber vs. empresas de telefonia celular, eles disseram "as empresas que inovem".
  • Na briga AirBNB vs. redes hoteleiras, eles disseram "as redes de hotéis que inovem".
  • Na briga NetFlix vs. salas de cinema, eles disseram "as salas de cinema que inovem".
  • Na briga Blablacar vs. Empresas de transporte rodoviários, eles disseram "as empresas de transporte que inovem".
No entanto, quando se trata de bloqueadores de propaganda vs. produtores de conteúdo aí a história de inovação não vale. Inovação é algo muito legal de se pedir mas quando não é o seu reto que está na reta. Nessa briga, aí os produtores de conteúdo chamam quem usa as extensões de filhos da puta, desgraçados, corruptos, piratas, comunistas (adoro esse "xingamento"), feios chatos bobos e, o meu favorito (depois do comunista), ladrões.

Substitua "Internet" por "AdBlock" e você verá um monte de youtubeiro nela.

Sim, adoro e acho divertidíssimo ver esses produtores de conteúdo chamar quem usa bloqueadores de propaganda de ladrões. Eu aposto a bola esquerda e metade da bola direita da minha bolsa escrotal que esse pessoal que chama os usuários da extensão de ladrões tem, ao menos, um software pirata instalado no computador dele, ou um arquivo de MP3 de música que ele baixou por aí, ou um arquivo de vídeo de filme que ele baixou nos torrents da vida, ou um PDF de um livro, também baixado por aí, ou um livro xerocado (pois livros de R$ 100,00 são muito caros. Camiseta de R$ 120,00 ou tênis de R$ 300,00 são baratos). Como aconteceu certa vez com um youtubeiro, que odeia o AdBlock e que disse num vídeo que "devemos valorizar a criação alheia" (concordo), mas que foram ver e perceberam que o software que ele usava para fazer a edição dos vídeos era pirata (mostre-me um moralista e mostrar-lhe-ei um hipócrita). O youtubeiro acabou removendo o vídeo.

Muito pior.

Aliás, cabe aqui um adendo: No começo da década de 2000, as gravadoras chamavam de ladrões aqueles que usavam o Napster e Kazaa para ouvir música. E quase 20 anos depois, temos produtores de conteúdos chamando de ladrões aqueles usam bloqueadores de propaganda. Vocês não acham legal os produtores de conteúdo usarem os mesmos argumentos (e até as mesmas palavras) de um pessoal que eles tanto odeiam? Eu, ao menos, acho divertidíssimo. Dá-lhe efeito ferradura.

Coitado do cachorro.

Mas resumindo tudo, o fato é: Cheguei a dois milhões de bloqueios com a extensão e pretendo continuar a usá-la. Neste exato momento a contagem está em 2000100. Mas isso não é algo imutável (nem imexível) e um dia posso não mais usar. Sim, querido produtor de conteúdo, eu posso parar de usar a extensão. Mas para isso, originalmente, você teria que fazer quatro coisas:
  • Pagar minhas contas.
  • Pagar meu salário.
  • Pagar e preparar minha comida.
  • Lavar minhas roupas.
Só que lembrei que tem uma quinta coisa: Limpar minha casa. Quando você fizer essas cinco coisas reles, banais e frívolas, aí sim eu farei tudo o que você quiser com o meu computador (até mesmo deixar de usar essas extensões). Aliás, farei tudo o que você quiser que eu faça (pode não ter nada a ver com computador, eu farei). Mas até lá, sinto muito, quem continua a mandar no meu computador sou eu. Meu corpo, minhas regras. Quer dizer, meu computador, minhas regras. Curioso que escrevi isso no Twitter para um babaca que odeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeia que se use AdBlock (e chama quem usa extensão de ladrão) e o babaca, dotado de uma grande argumentação e com grande repertório de respostas decidiu... me bloquear (como aliás, acontece com todo babaca com quem eu falo por lá. Dentre esses babacas, algumas celebridades). Bloqueia eu aqui agora, FILHO DUMA PUTA!!!!

E falei tanto aqui de comunista no texto (inclusive coloquei no título) e coloquei uma imagem no começo com os camaradas Lênin e Mao Zedong felizes com o seu camarada Firefox, vou explicar o que é a tal imagem. É uma trollagem. Simplesmente isso. Ou será que existiria alguém retardado o suficiente para achar que AdBlock é coisa de comuna? Não existiria alguém tão mongoloide assim. Ou existiria?


Sim. Existiria.

O débil mental do texto acima escreveu a porcaria de texto e criou essa imagem idiota na época em que um outro débil mental decidiu bloquear o acesso ao seu preciosíssimo site cujo conteúdo é único em toda Internet mundial a quem usava Firefox. E sim, a campanha era de 2007, 10 anos atrás, portanto uma outra era, e naquela era tinha-se como única alternativa ao Firefox... o maravilhoso e sensacional (além de extremamente seguro) Internet Explorer 6.

Ainda sobre comunismo, também cheguei a ver alguns blogs e sites políticos de direita e sites que não eram sobre política mas cujos seus donos eram de direita e, por serem de direita, defendem coisas como liberdade econômica, liberalismo econômico, privatizações e, principalmente, liberdades individuais, que chilicaram com o uso de AdBlock. Alguns até fecharam a porta na minha cara. Pelo visto as "liberdades individuais" que esses direitinhas tanto defendem não inclui a liberdade da pessoa usar o computador dela como ela bem entender. Como de costume e é tão peculiar dessa gentinha, liberalismo e libertarianismo no cu dos outros é refresco.

Sem contar um famoso portal evangélico que barrou minha entrada pois estava com o AdBlock ligado. Quer dizer que, além de ser coisa de comunista, usar AdBlock é pecado?

E o idiota que bloqueava o acesso ao seu preciosíssimo site a quem usava Firefox acha que venceu a guerra contra os bloqueadores de propaganda. Sim amiguinho, você foi um vitorioso nessa guerra.

E será que existiria um retardado como esses aqui em Terra Brasilis?

Mas é óbvio que existiria.

Além disso você está destruindo o sustento de milhares de empreendedores que dependem destes anúncios para matar a fome de seus filhos, esposas, mães, tias, avós com sua atitude egoísta e totalmente egocêntrica.

Perdoem o meu francês... Vai tomar no cu.

Huxley faz mais um ponto.

Um edifício feio cinzento e acachapado, de trinta e quatro andares apenas. Acima da entrada principal, as palavras Centro de Incubação e Condicionamento de Londres Central e, num escudo, o lema do Estado Mundial: Comunidade, Identidade, Estabilidade.

A enorme sala do andar térreo dava para o norte. Apesar do verão que reinava para além das vidraças, apesar do calor tropical da própria sala, era fria e crua a luz tênue que entrava pelas janelas, procurando, faminta, algum manequim coberto de roupagem, algum vulto acadêmico pálido e arrepiado, mas só encontrando o vidro, o níquel e a porcelana de brilho glacial de um laboratório. À algidez hibernal respondia a algidez hibernal. As blusas dos trabalhadores eram brancas, suas mãos estavam revestidas de luvas de borracha pálida, de tonalidade cadavérica. A luz era gelada, morta, espectral. Somente dos cilindros amarelos dos microscópios lhe vinha um pouco de substância rica e viva, que se esparramava como manteiga ao longo dos tubos reluzentes.

- E isto - disse o Diretor, abrindo a porta - é a Sala de Fecundação.

No momento em que o Diretor de Incubação e Condicionamento entrou na sala, trezentos Fecundadores, curvados sobre os seus instrumentos, estavam mergulhados naquele silêncio em que apenas se ousa respirar, naquele cantarolar ou assobiar inconsciente por que se traduz a mais profunda concentração. Uma turma de estudantes recém-chegados, muito jovens, rosados e bisonhos, seguia com certo nervosismo, com uma humildade um tanto abjeta, as pisadas do Diretor. Todos traziam um caderno de notas, no qual, cada vez que o grande homem falava, rabiscavam desesperadamente.
Eles bebiam ali seu saber na própria fonte. Era um privilégio raro. O D. I. C. de Londres Central sempre fazia questão de conduzir pessoalmente seus novos alunos na visita aos vários serviços e dependências.

- Simplesmente para lhes dar uma idéia de conjunto - explicava-lhes. Porque era preciso, naturalmente, que tivessem alguma idéia de conjunto para poderem fazer seu trabalho inteligentemente - mas uma idéia a mais resumida possível, para que se tornassem membros úteis e felizes da sociedade. Porque os detalhes, como se sabe, conduzem à virtude e à felicidade; as generalidades são males intelectualmente necessários. Não são os filósofos, mas sim os colecionadores de selos e os marceneiros amadores que constituem a espinha dorsal da sociedade.

- Amanhã - acrescentava, sorrindo-lhes com uma jovialidade levemente ameaçadora - os senhores entrarão no trabalho sério. Não terão tempo para generalidades. Enquanto isso...

Enquanto isso, era um privilégio. Da própria fonte para o caderno de notas. Os rapazes rabiscavam febrilmente.

Alto e um tanto magro, mas teso, o Diretor adiantou-se sala a dentro. Tinha o queixo alongado e os dentes fortes, um pouco proeminentes, que seus lábios grossos, de curva acentuada, mal conseguiam encobrir quando não estava falando. Velho? Jovem? Trinta anos? Cinqüenta? Cinqüenta e cinco? Era difícil dizer. Aliás, não vinha ao caso; nesse ano da estabilidade, 632 D. F., a ninguém ocorreria perguntar.

- Vou começar pelo começo - disse o D.I.C., e os estudantes mais aplicados anotaram sua intenção no caderno: Começar pelo começo. - Isto - agitou a mão – são as incubadoras. - E, abrindo uma porta de proteção térmica, mostrou-lhes porta-tubos empilhados uns sobre os outros e cheios de tubos de ensaio numerados. — A provisão de óvulos para a semana. Mantidos à temperatura do sangue; ao passo que os gametas masculinos - e abriu outra porta - devem ser guardados a 35°, em vez de 37°. A temperatura normal do sangue esteriliza.

- Carneiros envoltos em termogênio não procriam cordeiros.

Sempre apoiado contra as incubadoras, forneceu-lhes, enquanto os lábios corriam ilegivelmente de um lado a outro das páginas, uma breve descrição do moderno processo de fecundação; falou-lhes primeiro, naturalmente, da sua introdução cirúrgica - "a operação suportada voluntariamente para o bem da Sociedade, sem esquecer que proporciona uma gratificação de seis meses de ordenado"; continuou com uma exposição sumária da técnica de conservação do ovário, secionado no estado vivo e em pleno desenvolvimento; passou a considerações sobre a temperatura, a salinidade e a viscosidade ótimas; fez alusão ao líquido em que se conservavam os óvulos destacados e chegados à maturidade; e, levando os alunos às mesas de trabalho, mostrou-lhes mesmo como se retirava esse líqüido dos tubos de ensaio; como se fazia cair gota a gota sobre as lâminas de vidro, especialmente aquecidas, para preparações microscópicas; como os óvulos que ele continha eram inspecionados com vista a possíveis caracteres anormais, contados e transferidos para um recipiente poroso; como (e levou-os a observar a operação) esse recipiente era mergulhado em um caldo tépido contendo espermatozóides que nele nadavam livremente - "na concentração mínima de cem mil  por centímetro cúbico", insistiu; e como, ao cabo de dez minutos, o vaso era retirado do líquido e seu conteúdo novamente examinado; como, se ainda restassem óvulos não fecundados, era ele mergulhado uma segunda vez e, se necessário, uma terceira; como os óvulos fecundados voltavam às incubadoras; onde eram conservados os Alfas e os Betas até seu acondicionamento definitivo em bocais, enquanto os Gamas, os Deltas e os Epsilons eram retirados ao fim de apenas trinta e seis horas para serem submetidos ao Processo Bokanovsky.

- Ao Processo Bokanovsky - repetiu o Diretor, e os estudantes sublinharam essas palavras nos seus cadernos. Um ovo, um embrião, um adulto - é o normal. Mas um ovo bokanovskizado tem a propriedade de germinar, proliferar, dividir-se: de oito a noventa e seis germes, e cada um destes se tornará um embrião perfeitamente formado, e cada embrião um adulto completo. Assim se consegue fazer crescer noventa e seis seres humanos em lugar de um só, como no passado. Progresso.

- A bokanovskização - disse o D.I.C., para concluir - consiste essencialmente numa série de paradas do desenvolvimento. Nós detemos o crescimento normal e, paradoxalmente, o ovo reage germinando em múltiplos brotos. Reage germinando. Os lápis entraram em atividade. Ele apontou. Sobre um transportador de movimento muito lento, um porta-tubos cheio de tubos de ensaio penetrava numa grande caixa metálica e outro surgia. Ouvia-se um leve rumor de máquinas. Os tubos levavam oito minutos para atravessar a caixa de ponta a ponta, explicou-lhes, ou seja, oito minutos de exposição aos raios X duros, o que é, aproximadamente, o máximo que um ovo pode suportar. Um pequeno número morria; outros, os menos suscetíveis, dividiam-se em dois; a maioria proliferava em quatro brotos; alguns em oito; todos eram reenviados às incubadoras, onde os brotos começavam a desenvolver-se; então, passados dois dias, eram submetidos subitamente ao frio; ao frio e à parada de crescimento.

Essas são as primeiras páginas da obra "Admirável Mundo Novo", de Aldous Huxley. Recomendo muito que vocês leiam o livro. Nessa livro é mostrado toda a linha de produção para a geração de bebês. Sim, geração de bebês. Não existem mais as figuras do pai, da mãe e da família.

Não só isso. Não bastasse as manipulações genéticas de forma a gerar membros para suas respectivas castas, ainda havia as manipulações mentais, com sessões de hipnopedia, administração de Soma e repetição incessante de frase para as crianças e adolescentes. Tudo isso de forma a manter a estabilidade. Afinal, Comunidade, Estabilidade, Igualdade.

Mas se trata tão somente de uma obra de ficção. E por ser ficção, uma coisa como a que foi descrita acima jamais aconteceria. Imagina só se existiria um lugar para aprisionamento e acondicionamento de bebês? Muito menos um lugar onde repete-se frases incessantemente na mente da criançada. Jamais existiria algo assim. JAMAIS!!!


Certo. Jamais existiria algo assim. Como diria o Vitor, {{não acredite em mim}}.

Não sei quem foi que disse que ficção científica não prevê o futuro, ela cria o futuro. Distopias então são mais eficientes na criação do futuro.

E ainda por cima não é nada barato para os Epsilons semi-aleijões que acham que vão virar novos Mustafás Monds. Como diria um certo youtubeiro cearense, acho justo. Acho justo o preço, pois idiota tem mais é que se desfazer do seu dinheiro.

O que Aldous Huxley teria a dizer?

Eu avisei.

Links da semana - 54.

Sem rodeios, sem enrolação, sem nada, vamos para mais uma lista de textos da semana:
E até a próxima.
 

Eu ainda sei de onde você é

Não sei o que aconteceu que o script do IP Address Location pifou, mas eu ainda continuo sabendo onde você está (especialmente se você estiver numa escola ou universidade pública ou qualquer órgão ou empresa estatal).

Se quiser me xingar, tudo bem, vai em frente, mas seu IP vai ficar registrado. E ai se for de uma escola ou universidade pública ou qualquer órgão ou empresa estatal, pois você estará me xingando e usando meu dinheiro para fazer isso.

Últimos textos.

Feeds do blog

Assine o feed do blog
Assine o RSS.

Insira seu e-mail:

Delivered by FeedBurner

Histórico

Texto aleatório

ALEA IACTA EST